Trajetória de duas décadas de Rodrigo Braga é devassada em livro

Comunhão 

Artista tem obra analisada no primeiro volume da coleção Geração de um Pernambuco Contemporâneo

Reconhecido por uma potência alegórica singular, o artista visual Rodrigo Braga, manauense naturalizado no Recife, terá sua trajetória de duas décadas sintetizada no primeiro volume da coleção Geração de um Pernambuco Contemporâneo. A obra conta com ensaios das pesquisadoras Maria do Carmo Nino e Rebeka Monita, organizadora da coleção, e do artista e professor Marcelo Coutinho. O livro será lançado no Recife, no Museu do Estado de Pernambuco (Mepe), no dia 1º de novembro, às 19h. Também haverá lançamentos em Belo Horizonte (25/10) e João Pessoa (31/10). Na ocasião, serão distribuídos exemplares gratuitos.

Situado na chamada Geração 00, Braga assina um trabalho que mescla performance, vídeo e fotografia para abordar questões que articulam o corpo, a natureza e os centros urbanos. Dentro desse escopo, o artista explora os tensionamentos possíveis entre esses três elementos, a partir de uma série de deslocamentos estéticos e políticos entre o humano e o animal, o selvagem e o suposto civilizado. Trabalhos como Comunhão (2006), Tônus (2012) e Os olhos cheios da terra (2018) ressaltam as nuances dessa relação em sua obra.

Para Rebeka Monita, curadora do projeto, Rodrigo é um artista central para se pensar a Geração 00 em Pernambuco, pela potência, amplitude e maturidade que carrega em seu projeto artístico. “Seu trabalho é uma investigação profunda da arte fotográfica no âmbito da arte contemporânea, que adquire uma força particular quando é aliada ao seu cerne performático”, avalia a pesquisadora, que teve o artista como tema de sua dissertação de mestrado.

O projeto Geração de um Pernambuco Contemporâneo tem como proposta investigar as trajetórias e poéticas de artistas contemporâneos com produções em Pernambuco a partir dos anos 2000. A cada edição, serão convidados pesquisadores e críticos para investigar aspectos da obra do artista em destaque. A proposta é promover um debate crítico aprofundado acerca de uma geração de artistas ligados a Pernambuco bastante profícua e característica, marcada pela ousadia temática e formal.

Sobre o Artista – Nascido em Manaus, em 1976, Rodrigo Braga se mudou para o Recife ainda criança, onde graduou-se em Artes Plásticas pela UFPE. Atualmente vive entre Rio de Janeiro e Paris. Expondo desde 1999, participou da 30ª Bienal Internacional de São Paulo, exibiu a obra Tônus no Cinema do MoMA PS1 e realizou uma individual no Palais de Tokyo, em Paris. Tem no currículo prêmios como o Marcantonio Vilaça – Funarte/MinC (2009) e possui obras em acervos particulares e institucionais, no Brasil e no exterior, como MAM-SP, MAM-RJ e Maison Européene de La Photographie - Paris.

Serviço:
Lançamento do livro Geração de um Pernambuco Contemporâneo – Rodrigo Braga
Onde: Museu do Estado de Pernambuco (Av. Rui Barbosa, 960, Graças)
Quando: 1º de novembro (sexta), às 19h   
Informações e reservas: 81. 3127.5719

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artistas Digitais: Laís Xavier

Bairro da Várzea da exemplo de solidariedade durante a pandemia do Covid-19

Mais de 260 filmes Pernambucanos gratuitos para assistir em casa