Festival No Ar Coquetel Molotov 2021 inova com edição que traz série audiovisual e propõe imersão em mundo 3D

 

AVOADA Foto Juba Valenca - Marcelo Cavalcante

 

Novos formatos sensoriais e audiovisuais abrem os caminhos da agenda cultural dos festivais brasileiros. Vem aí a 17ª edição do Coquetel Molotov, completamente on-line e gratuita.

 

Apresentado pela TNT Energy Drink, com patrocínio da Natura Musical, Itaipava, Uninassau e com incentivo do Sistema de Incentivo a Cultura do Recife, o festival No Ar Coquetel Molotov, um dos festivais de música mais importantes do Brasil, serve em sua próxima edição vivências de música, arte, mundo 3D  e mantém sua força curatorial com atrações nacionais e internacionais, oficinas, mentorias, pitching no período de 11 a 23 de janeiro.

 

Lia de Itamaracá, DerekAlessandra Leão, Test, Perera Elsewhere, Thelmo Cristovam, Miãm, Luiz Lins, Bella Kahun, Bell Puã, Avoada, Amaro Freitas, Jup do Bairro, Ava Rocha, Boogarins, Thelmo Cristovam, Hrönir, Cássio Sales, Ciel Santos, Siba CarvalhoGumaMooniz e HoodBob são alguns dos nomes que compõem o line-up dessa edição que já está sendo comentada como o abre-alas cultural de 2021.

 

O desejo central de fomento da cena alternativa musical ao mesmo tempo que une outras manifestações artísticas,  ganha nova forma em uma série conceitual gravada entre elementos naturais e urbanos. Como locações para esta obra estão a vegetação, as montanhas, o som dos animais, o açude do espaço Criatório, estúdio de gravação/ateliê localizado em Gravatá (PE) e a Fauhaus, em São Paulo. Com produção audiovisual da Bateu Castelo, a série tem direção musical de Benke Ferraz (Boogarins) e gravação de áudio do Fábrica Estúdios.

 

Outro ponto alto do festival é um Mundo Imersivo 3D desenvolvido especialmente para a ocasião pelo grupo Rosabege. Com entrada pelo site do festival, o público poderá criar seu avatar e percorrer o espaço em três andares.

 

Estas ativações virtuais incluem espaços para ouvir as novidades sonoras da Natura Musical, conferir as novidades da Uninassau, visitar uma exposição inédita com a linha do tempo através dos posters dos 16 anos de festival, dar um pulo no espaço da TNT e ver a Galeria Aberta de artistas LGBTQI+ com curadoria de TRANSÄLIEN (MARSHA!). No Espaço Pontes – Oi Futuro British Council, o público vai poder participar de uma apresentação exclusiva da produtora britânica Perera Elsewhere. Ela ainda participa do festival ministrando fora do mundo 3D uma oficina de três dias num processo imersivo e também participa de um talk com Alessandra Leão, que acontecerão via Zoom. A programação de oficinas e encontros será divulgada em breve.

 

A diversidade musical do lineup do No Ar floresce com presenças como a da revelação Jup do Bairro, o regionalismo do ilú de Alessandra Leão, a psicodelia dos goianos do Boogarins num encontro inédito com a avant-garde Ava Rocha, o metal e o peso do Test, o trabalho performático da carioca trans Aretha Sadick, que une música, moda e teatro, além do flow de um dos maiores expoentes do trap nacional, o paulistano Derek.

 

E pra completar, a Natura Musical soma no lineup com a apresentação da tradição da ciranda de Lia de Itamaracá, o instrumental refinado e torto de Amaro Freitas e as letras sensíveis e tocantes e o beat complexo do trio Tuyo. Todos artistas com trabalhos lançados pela marca que mais investe em música.

 

Também fica claro o recorte voltado para cenas artísticas pernambucanas, com um  belo recorte do que há de melhor da cena local em revelações como Luiz Lins, compositor da zona da mata pernambucana que bebe do hip hop, rap e R&B e traz uma sonoridade que passeia pela MPB, soul e brega.

 

O festival traz ainda a composição forte e a voz marcante de Martins, o regionalismo do violão certeiro de Bella Kahun, natural de Garanhuns e integrante do PE SQUAD, a poesia falada, o spoke de Bell Puã, que já representou o país no Poetry Slam World Cup em Paris (2018) e foi convidada da FLIP 2019.

 

Este lineup também reserva atrações como o coletivo Avoada de Marília Parente, Feiticeiro Julião, Juvenil Silva e Marcelo Cavalcante com seu rock rural, psicodelia e música popular nordestina. A música experimental, que sempre foi uma marca do evento, vem com o instrumental eletrônico de Thelmo Cristovam, com o improviso e a música computadorizada e de instalação do Hrönir, além do noise experimental lo fi do projeto solo do músico, compositor e produtor Cássio Sales, Miãm.

 

Mais informações: www.coquetelmolotov.com.br

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ACÚSTICO IMAGINAR

“CONFISSÕES URBANAS” UM EXPERIMENTO CÊNICO DIGITAL

FESTIVAL DE TEATRO DE IGARASSU ESTÁ COM INSCRIÇÕES ABERTAS