Escola Pernambucana de Circo promove o segundo módulo de oficina voltada para a segurança


 
Trabalhar em circo é sinônimo de constante superação de desafios e alguns riscos. Por isso, a segurança é item imprescindível dessa arte milenar. Dessa forma, a Escola Pernambucana de Circo (EPC) promove o segundo módulo da oficina "Segurança para montagem e manutenção de equipamentos circenses aéreos". O curso é destinado apenas aos alunos que participaram do primeiro módulo, e acontece nos dias 13 e 14 de março, das 9h às 17h, na sede da EPC, bairro da Macaxeira, zona Norte do Recife. 

A oficina vai abordar, de forma prática e teórica, assuntos como análise de riscos, boas práticas de segurança, instalação de aparelhos circenses, entre outros. O objetivo é apresentar a realidade da segurança no circo em âmbito nacional e internacional, identificar e debater riscos inerentes às práticas circense, além apresentar técnicas e protocolos que aprimoram a segurança.

O evento tem apoio do Funcultura, Governo do Estado de Pernambuco e Fundarpe, e é o primeiro curso no Recife que concede o certificado NR35, que garante aos participantes o direito de montar e realizar manutenção em equipamentos circenses.

O plano de aula e conteúdo da oficina é composto por uma explanação teórica e prática, seguida de um debate entre os participantes, onde as mais variadas realidades do universo circense são discutidas sob a ótica de três conceitos elementares: risco, acidente e segurança. Em um terceiro momento, é realizada uma vivência prática com o objetivo de aprimorar o conhecimento dos participantes sobre aspectos ligados à segurança, com ênfase na análise de risco das atividades e na instalação de aparelhos aéreos.

Sobre o instrutor - Diego L. Ferreira (Brasil): É mestre em Educação Física pela Faculdade de Educação Física (FEF) - Unicamp com dissertação que originou o livro Segurança no Circo, Questão de Prioridade, elaborado juntamente com Marco Bortoleto e Ermínia Silva. Diego é Coordenador Estadual da Comissão Brasileira de Espeleorresgate (resgate em caverna) e Coordenador Nacional Adjunto da mesma instituição. Nas artes, atua como Rigger/Montador de aparelhos aéreos e sistemas para efeitos de voos, atendendo companhias, fundações culturais, clubes, escolas e academias do Brasil, em especial na região sudeste, realizando montagens ao ar livre, ginásios, lonas, galpões e teatros. Juntamente com Marco Bortoleto foi o idealizador do primeiro curso de NR35 voltado especificamente para os circenses, somando hoje mais de uma centena de alunos.  Sócio fundador da empresa Grupo Aerius.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

IVONETE MELO, PRESIDENTE DO SINDICATO DOS ARTISTAS NO ENFRETAMENTO DA PANDEMIA

A SOLIDARIEDADE NO CENTRO DE CRIAÇÃO GALPÃO DAS ARTES DE LIMOEIRO

Exposição digital Quarentena, do Museu da Diversidade Sexual, será inaugurada nesta segunda-feira (25)