Museu da Abolição irá promover formação sobre relações raciais nos espaços educacionais

Exposição Contextos Afro Digitais MAB - Foto: Wellington Silva.

O intuito do Museu da Abolição é aproximar os professores de uma realidade pratica sobre a aplicabilidade do ensino de história da cultura africana e afro-brasileira. Inscrições até hoje. 

O Museu da Abolição irá promover o seminário “Práticas Educacionais para as Relações Étnico-Raciais”. Serão 6 encontros, todos aos sábados, das 13h às 17h, aqui no MAB. O seminário tem o objetivo de aprofundar os diálogos sobre a aplicabilidade da Lei 10.639/03, que fala sobre a obrigatoriedade do ensino a história da cultura africana e afro-brasileira; e temas correlacionados à educação étnico-racial, além de apresentar práticas pedagógicas de professores atuantes nos níveis fundamental e médio de ensino. Essa formação é aberta a todas, porem o nosso público alvo serão professores, da rede pública ou privada, e licenciandas. As inscrições podem ser feitas até hoje (12/09), via formulário eletrônico de inscrição. Em seguida à apresentação dos temas, teremos a apresentação de relatos pedagógicos, que podem ser enviados para o email: mab.educativo@museus.gov.br, em forma de resumo, de no máximo 2 laudas.

Cada encontro terá carga horária de 4h, e será emitido certificado de participação, além de certificado para quem apresentar relato de experiência. Serão 6 temáticas, abordadas por professores e pesquisadores que se debrucem sobre as relações raciais no âmbito escolar: 14/09 - Práticas pedagógicas para uma educação étnico-racial, com mediação das professoras Deyse Moura e Fátima Oliveira; 21/09 - O ensino através do magrado: educação e religiões de matrizes africanas, com mediação da professora Delma Silva e Pai Edson de Omolú; 28/09 – “Cota não é esmola" a importância de dialogar sobre cotas raciais no âmbito escolar, com mediação dos professores Alexandre de Jesus e Aristeu Portela; 19/10 - A experiência dos grupos de pesquisa e projetos de extensão na implementação da educação das relações étnico-raciais, com mediação das professoras Maria Auxiliadora (UFPE), Lassana Danfá (UFPE) e do Prof. José Bento; 26/10 - A literatura africana e afro-brasileira como ferramentas de ensino, com mediação das professoras Luiza Reis (UFPE) e Mariana Andrade (UFBA/UFPE); e 09/11 - Arte africana e afro-brasileira como elementos para novas narrativas escolares, com mediação do Prof. Milton Santos (UFPB). O MAB pretende utilizar esse espaço para promover o diálogo sobre a importância da verdadeira aplicabilidade da lei 10.639/2003, mas que, no entanto, esbarra em obstáculos resultantes de um racismo estrutural. Ações que já são desempenhadas pelo próprio Museu, seja em seus seminários ou nas visitas agendadas por escolas, tudo de forma gratuita.

A cada dia se torna mais importante falar sobre as violências vivenciadas entre os muros escolares, chamando atenção os casos de racismo e intolerância religiosa. Se pararmos para perguntar para crianças, jovens e adultos negros sobre racismo que vivenciaram na escola, existirá uma abundância de relatos. Não só de colegas para colegas, mas também relatos sobre a falta de empatia e sensibilidade dos professores, além das lembranças marcadas pelas piadas racistas, acusações de furto, agressões físicas e exclusão nos momentos de atividades em grupo. Fatos que atravessam os anos escolares e afetam a vida pedagógica e emocional dessas pessoas. É preciso refletir sobre qual é o lugar dos afro-brasileiros e africanos na construção da história, tendo em vista que as narrativas que são disseminadas pelos professores, livros didáticos e pela própria ementa curricular não são contemplativas e muito menos humanizadas. Abordando apenas as histórias sobre o processo de dominação dos africanos e expansão das ideias eurocêntricas/coloniais. O que nada favorece para uma construção da identidade afro e da inclusão.

Serviço
Seminário Práticas Educacionais para as Relações Étnico-Raciais;
Datas: 14/09, 21/09, 28/09, 19/10, 26/10 e 09/11 (aos sábados);
Horario: das 13h às 17h
Local: Museu da Abolição, Rua Benfica, 1150, Madalena – Recife/PE
Entrada: Gratuita
Inscrições: https://forms.gle/zxa5tkMF7MYzBzyR6
Mais informações: @museuabolicao / www.museudaabolicao.museus.gov.br / 3228-3248

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

IVONETE MELO, PRESIDENTE DO SINDICATO DOS ARTISTAS NO ENFRETAMENTO DA PANDEMIA

A SOLIDARIEDADE NO CENTRO DE CRIAÇÃO GALPÃO DAS ARTES DE LIMOEIRO

Exposição digital Quarentena, do Museu da Diversidade Sexual, será inaugurada nesta segunda-feira (25)