“Nosso Ofício” resgata profissões cada vez mais raras no Brasil contemporâneo



SephoraSilva


Projeto da Rima Cultural e Ateliê Produções, com direção de Tuca Siqueira, ganha exposição fotográfica no Sesc Casa Amarela. Temporada nacional da série prevê 13 episódios a serem exibidos pelo Canal Futura.

Bodegueiro, relojoeiro, circense. E mais sineiro, tipógrafo, alfaiate, abridor de letras, erveira e outras oito profissões, ou melhor, ofícios, cada vez mais raros no Brasil contemporâneo. A partir desta seleção de profissionais com ricas trajetórias de vida e de serviço, e dos sentimentos e ideias relacionados às suas atividades, a Rima Cultural e o Ateliê Produções debruçaram-se numa bela missão de resgate. E de resistência. A temporada Pernambuco percorreu Sertão, Zona da Mata, e a Região Metropolitana do Recife. Já a nacional, alcançou sete estados do país. 


Nesta quinta-feira, os recifenses têm a oportunidade de conferir uma parte desta iniciativa, com a abertura da exposição Nosso Ofício, às 19h, no Sesc Casa Amarela. A programação da noite inclui a exibição de dois dos três episódios da primeira fase do projeto: O Relojoeiro e o Tempo, e A Circense e a Paixão. “A mostra retrata parte desse encontro entre o fazer e o sentir proposto pela série. Em Triunfo, a exposição teve a participação de Seu Expedito, bodegueiro e um dos personagens. No Recife, a exibição dos episódios vai acontecer com as presenças de Seu Sousa (relojoeiro) e de Tita (artista circense), ambos também protagonistas”, explica Rafael Marroquim, da Rima, que assina o roteiro com Ricardo Mello. 

A etapa pernambucana de Nosso Ofício foi realizada a partir de edital da TVPE e da Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), junto com o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). A exposição teve o apoio cultural do Sesc. 

A Série 

Gravada no Recife, em São José da Coroa Grande e em Triunfo (a etapa pernambucana), e nos Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pará, São Paulo, Rio Grande do Sul, Ceará e na capital pernambucana (a temporada nacional de 13 episódios em fase de montagem e finalização), Nosso Ofícioconta com o olhar sensível de Tuca Siqueira na direção, que conduziu cada um dos artífices (16, no total) em entrevistas individuais, informais, marcadas pelo tom de confidencialidade. Os personagens aparecem imersos em suas atividades cotidianas, em depoimentos impregnados de sentimento e história. O resultado emociona, sobretudo por emergir da simplicidade e da espontaneidade. E revela uma beleza às vezes escondida na paixão que move o circo, no significado atemporal do manuseio das peças delicadas dos relógios, na confiança que se escreve no caderninho da bodega. 

Além dos mestres que protagonizam os capítulos, foram entrevistados outros convidados, que falaram dos sentimentos e valores relacionados a cada profissão. Para se ter uma ideia, há desde a economista Tânia Bacelar e o músico Maciel Melo, previstos na primeira temporada, a Ney Matogrosso, Letícia Sabatella, Deborah Colker, Dona Onete, Jurandir Freire Costa, Aderbal Freire Filho e Marcelino Freire, alguns dos nomes que integram a etapa nacional.   

“A diferença da primeira temporada para a nacional é que a gente ampliou geograficamente o projeto, e isso significa que temos uma diversidade de sotaque e de cenário, que influencia no visual e no conteúdo. Enquanto diretora, foi uma experiência muito intensa e marcante; uma das mais marcantes, em 15 anos de carreira, por essa quantidade, intensidade e tempo de filmagem. São 13 personagens, três dias com cada um deles, o que faz com que a gente se aproxime muito rapidamente deles, vive intensamente esses três dias em todos os sentidos. Não há como não estabelecer afeto com essas pessoas, porque tratamos de ofícios que estão se tornando muito raros”, salienta Tuca Siqueira. 

Exposição e Fanzine 

Com curadoria de Séphora Silva e Victor Jucá, a mostra Nosso Ofício conta com 12 fotografias exclusivas de Jucá, aplicadas em lambe-lambes, além de objetos e instrumentos de trabalho que remetem ao ambiente dos personagens retratados na primeira temporada da série. Na abertura, após a exibição dos episódios O Relojoeiro e O Tempo e A Circense e A Paixão, haverá um bate-papo com os realizadores e com o relojoeiro Seu Souza e a circense Tita. 

"Dona do circo" Credito: Vitor Jucá

Ao longo da temporada no Sesc, os visitantes poderão assistir a vídeos explicativos sobre a série, que inclui ainda o fanzine Nosso Ofício, com poemas do jornalista Ricardo Mello, a ser distribuído gratuitamente. A publicação traz gravuras inéditas assinadas por 
Cezar Maia, Mateus Samico e Matheus Barbosa. A mostra cumpriu temporada de dezembro a fevereiro em Triunfo, tendo sido vista por quase duas mil pessoas. No Recife, ela ficará em cartaz até 24 de maio. 

SERVIÇO: 

Nosso Ofício– Abertura nesta quinta-feira (28/3), 19h. Segue até 24 de maio, no Sesc Casa Amarela (Av. Norte Miguel Arraes de Alencar, 4490, Mangabeira), de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h. Entrada franca.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artistas Digitais: Laís Xavier

Giro Literário infantil: 10 eBooks para suas crianças

Frei Caneca estreia entrevistas por meio de lives no Instagram