terça-feira, 20 de junho de 2017

Xangô pernambucano é celebrado com palestras, oficinas, livro e espetáculos

Imagem: divulgação
A 72ª edição do "Amalá de Xangô" celebra o sincretismo da tradição afro-brasileira em Pernambuco com palestras, oficinas, lançamento de livro e espetáculos.
  
No dia 21 de junho, quarta-feira, será realizado o Seminário “Obá Aganjú Ogbô Ayê: Fé, devoção e tradição - 72 anos do Amalá – o banquete do Rei, no Centro de Educação da UFPE. Este ano, além de apresentações culturais, as comemorações envolverão palestras, oficinas, lançamento de livro e espetáculos. 

O evento contará com a discussão dos trabalhos acadêmicos cujo objeto de estudo esteve localizado no terreiro de Mãe Amara. Haverá ainda palestras sobre elementos rituais e exposição fotográfica. 

À tarde, estão previstas oficinas gratuitas de dança (Obá Ajô), percussão (Obá N’illu) e canto (Obá Korin). Após as oficinas será realizado o Lançamento da Cartilha de Mãe Amara: “De Xangozinho à Obá Meji: a trajetória da Ialorixá Amara Mendes – Guardiã da Tradição Nagô em Pernambuco”. O evento contará com a apresentação do Coral Amadê Korin Nagô – Coral das Crianças do Ilê Obá Aganjú Okoloyá, no encerramento.

Desde 1945, o Amalá com o Beguiri de Xangô é ofertado com devoção e fé em uma tradicional celebração realizada no Ilê Obá Aganjú Okoloyá- Terreiro de mãe Amara, terreiro de matriz africana de tradição Nagô Egbá, e tem como zeladora do Axé a Yialorixá Amara Mendes (Obá Mejí), juntamente com a Yiákekerê Maria Helena Sampaio (Oyá Tundè), sua filha biológica.

O Amalá  é um ritual devotado a Xangô, uma celebração específica para o Orixá do fogo e a realização da ação assume um caráter festivo, no qual confraternizam a divindade e os filhos de santo. Em 2014, a celebração do Amalá de Xangô do Terreiro de Mãe Amara foi reconhecida pelo Prêmio Patrimônio Cultural dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana – 2014, promovido pelo IPHAN. A realização anual da cerimônia é um rito especifico (em suas particularidades) do Terreiro de Mãe Amara que celebra e dá novo significado ao espaço-tempo sagrado.
   
Sobre o Amalá de Xangô - A tradição do Amalá – o banquete - de Xangô é reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Cultural dos Povos e Comunidades de Matriz Africana. “O Amalá de Xangô é considerado uma celebração específica para o Orixá do Fogo, e a realização da ação assume um caráter festivo, no qual confraternizam a divindade e os filhos da casa”, informa a Iakekerê da casa Maria Helena Sampaio. A Amalá de Xangó é realizado há 72 anos pelo terreiro de Mãe Amara, o Ilê Obá Aganjú Okoloyá, de tradição Nagô Egbá, e localizado no bairro de Dois Unidos.

Tudo começou com uma promessa feita por Mãe Amara (Obá Mejí) ao seu Orixá Patrono Xangô Aganjú. Realizado sempre no mês de junho, em data próxima as festividades de São João, devido ao forte sincretismo do Santo Católico com o Orixá Xangô.

A celebração ritual do Amalá de Xangô consiste na oferenda a divindade de duas iguarias de sua predileção que são o Beguiri e o Amalá. Beguiri: Iguaria elaborada com quiabo, castanha, amendoim, camarão e carne bovina, fartamente regado com azeite de dendê e temperado com pimenta, sal, cebola e cebolinha. Amalá: consiste numa espécie de papa feita com farinha de mandioca e água. Ambos são servidos ao Orixá em alta temperatura. Afinal Xangô é o dono do fogo!

O compromisso inicia com a oferenda do Amalá com Beguirí no mês de Junho e, a partir de então, repetida todas as primeiras quartas-feiras de cada mês até Janeiro do ano seguinte, no qual a última oferenda é feita no dia de Reis (06 de Janeiro).

Serviço:
Seminário Obá Aganjú Ogbô Ayê: Fé, Devoção E Tradição: 72 Anos Do Amalá – O Banquete Do Rei
21 de junho, das 8h às 18h
Auditório do Centro de Educação da UFPE

Programação: Em anexo

PROGRAMAÇÃO


08:00 ÀS 09:00h – CREDENCIAMENTO

08:00 às 08:40h
Mesa de Abertura
·         Profa. Dra. Auxiliadora Martins – CE/UFPE
·         Ilê Obá Aganjú Okoloyá – Ebomi Vera Baroni
Coordenação da Mesa: Yasmin Santos (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá  - Graduanda em Letras – UFPE)
Relatora: Janaína Botelho (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduada em Serviço Social – UFPE)

Xirê para Exu, Ogum e Xangô
·         Babalorixá Júnior de Ajagunã (Babalorixá da Roça Oxaguiã Oxum Ipondá e do Ilê Obá Aganjú Okoloyá)
·         Iyakekerê Maria Helena Sampaio (Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Iyalorixá da Roça Oxaguiã Oxum Ipondá)

- Café da manhã

- Exposição Fotográfica Digital
·         Lhaysa Ramos (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Baracharela em Ciências Biológicas – UFPE)

09:00 às 10:00h
Palestras
·         Ewe Obá: a folha do rei –Vera Baroni (Ebomi do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Advogada, Especialista em Direitos Humanos)
·         Obá Ajeum: Amalá de Xangô (comida sagrada) o Banquete do Rei – Ana Luiza Durand (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduanda em Ciências Sociais UFPE)
Coordenação da Mesa: Pedro Germano (Iaô do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Doutorando em Antropologia – UFPE)
Relatora: Janaína Botelho (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduada em Serviço Social – UFPE)


10:00 às 12:00h
Fórum de apresentação de pesquisas realizadas no Ilê Obá Aganjú Okoloyá

·         Ilê Obá Aganju Okoloyá – Terreiro de Mãe Amara: desafios e estratégias hoje”
Fernanda Meira (Iaô do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Doutoranda em Antropologia UFPE)

·         Kosi ejé kosi orixá: simbolismo e representação do sangue no candomblé.
Ligia Gama (Iaô do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Doutoranda em Antropologia UFPE)

·         Construção e afirmação da identidade racial no terreiro de Mãe Amara- Recife/PE
Irys Oliveira (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Mestranda em Ciências Sociais UFPE)

·         Ekodidé: relações de Gênero no contexto dos afoxés em Pernambuco
Ester Monteiro (Iaô do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Mestra em Antropologia UFPE)

·         Constituição da pessoa ogã no Xangô? Candomblé do Recife (o modelo nagô do Ilê Obá Aganjú Okoloyá)
Pedro Germano (Iaô do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Doutorando em Antropologia UFPE)

·         Telesse A’jô Nagô Ogbon Obirin – sabedoria da mulher
Hellaynne Sampaio (Iyabá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduada em Dança UFPE)

·         Olhando a educação musical no Ilê Obá Aganjú Okoloyá
Thiago Sá (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduando em Música UFPE)

Comentadora: Profa. Phd. Roberta Campos (DAM-PPGA/UFPE)
Coordenação da Mesa: Prof. Dr. Francisco Jatobá (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Dept. Sociologia/UFPE)
Relatora: Janaína Botelho (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduada em Serviço Social – UFPE)

12:00 às 14:00 – Almoço
14:00 às 15:30
Workshops Temáticos

·         Obá Ajô (dança) Facilitador/proponente: Hellaynne Sampaio (Iyabá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá e da Roça Oxaguian Oxum Ipondá; Graduada em Dança UFPE; Coordenadora de Dança do Balé Nagô A’jó)
- Monitora: Juliane Estevão (Iaô do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduanda em Administração e Marketing – Faculdade Mauricio de Nassau; integrante do Balé Nágô A’jó)
- Relatora: Laís Monteiro (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduanda em Geologia – UFPE; integrante do Balé Nagô A’jó)

·         Obá N’illu (percussão) Facilitador/proponente: Maria Helena Sampaio (Iyakekeré do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Iyalorixá da Roça Oxaguiã Oxum Ipondá; Educadora; Mestra da Cultura Popular-MINC; Presidenta e Vocalista do Afoxé Oyá Tokolê Owô)
- Monitora: Ana Benedita Costa (Ebomi do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduanda em Gestão da Informação – UFPE; backing vocal do Afoxé Oyá Tokolê Owô)
- Relatora: Mirty Kátlhy (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduada em Música - UFPE)

·         Obá Korin (canto) Facilitador/proponente: Gabriela Sampaio (Iyapetebí do Ilê Obá Aganjú Okoloyá e da Roça Oxaguian Oxum Ipondá; Educadora; Produtora Cultural do Afoxé Oyá Tokolê Owô)
- Monitora: Gabriela Martinez (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduanda em Música – UFPE; Vocalista do Afoxé Oyá Tokolê Owô)
- Relatora: Yasmin Santos (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá - Graduanda em Letras – UFPE)

(16:00 às 18:00)
Lançamento da Cartilha de Mãe Amara: “De Xangozinho à Obá Meji: a trajetória da Ialorixá Amara Mendes – Guardiã da Tradição Nagô em Pernambuco”

Apresentação do Coral Amadê Korin Nagô – Coral das Crianças do Ilê Obá Aganjú Okoloyá (Terreiro de Mãe Amara)

Composição da Mesa:
·         Gabriela Sampaio (Neta da Iyalorixá Amara Mendes; Iyapetebí do lê Obá Aganjú Okoloyá e da Roça Oxaguian Oxum Ipondá) – Apresentação da Cartilha
·         Inaldete Pinheiro de Andrade (Ativista do Movimento, Escritora, Mestra em Serviço Social – Depoimento acerca Exposição do Tema: “Gênero e Mulher nos Terreiros: as guardiãs do Axé”
·         Pai Messias de Ogum - Depoimento sobre os primórdios do Terreiro de Mãe Amara
·         Giorge Bessoni – Antropólogo IPHAN-PE

Coordenação da Mesa: João Gabriel Topan (Ogã do Ilê Obá Aganjú Okoloyá - Mestrando em Geologia – UFPE)
Relator: Geremias Anacleto (Omorixá do Ilê Obá Aganjú Okoloyá; Graduando em Ciências Biológicas – UFRPE)

Um comentário:

  1. Axé, Presença confirmada.
    Rico dia para tradição nagô de Pernambuco!
    AxéObáAganjú!

    ResponderExcluir